Vinhos do Tejo sobressaem na crítica internacional


Não há dúvidas que a performance dos Vinhos do Tejo tem vindo a ganhar pontos! E isso reflecte-se na crítica, que é cada vez mais positiva, em Portugal e no estrangeiro, mas também na procura por parte do consumidor. É precisamente de além-fronteiras que chegam as mais recentes boas-novas. As últimas edições da publicação americana Robert Parker The Wine Advocate dão conta de onze vinhos no patamar acima dos 90 pontos: Mark Squires distinguiu um com 93, dois com 92, dois com 91, e seis com 90 pontos, entre três brancos e oito tintos. Já na edição de Junho, tinham sido 13 os vinhos em destaque na Wine Enthusiast. 

No topo da lista, com 93 pontos, está o ‘Falcoaria Grande Reserva tinto 2015’, a primeira colheita desta referência, que o Casal Branco estreou em jeito das comemorações dos 200 anos da casa, como produtora de vinho. Feito de uvas de Castelão e Alicante Bouschet, provenientes de Vinhas Velhas com mais de cem anos, e de Syrah, é, segundo Mark Squires, um néctar muito bem feito: com uma boa concentração, embora subtil, e excelente fruta, plena de sabor.

Aos vinhos ‘Mensagem Reserva tinto 2014’ e ‘Protagonista tinto 2013’ couberam os 92 pontos. O primeiro é uma estreia, o que deixou o produtor Quinta do Arrobe muito entusiasmado. Mark Squires realça a estrutura e os taninos deste vinho – “controlados e equilibrados” –, bem como a presença da fruta. “Mostra algumas nuances verdes e um toque de alcaçuz”. Gosta bastante do final, pela sua complexidade, comparando-o até a um vinho de Bordéus. O ‘Protagonista tinto 2013’, do Pinhal da Torre, é um blend das castas Alicante Bouschet, Touriga Franca e Syrah. Nas palavras de Mark Squires, é “um vinho extremamente bem feito, muito poderoso e com grandes potencialidades de envelhecimento”.

Seguem-se com 91 pontos, um tinto e um colheita tardia. O ‘Quinta do Casal Monteiro Grande Reserva tinto 2015’, da Quinta com o mesmo nome, é um blend de Touriga Nacional, Syrah e Cabernet Sauvignon, que Mark Squires refere demarcar-se pelo equilíbrio e pela elegância, bem como pela sua concentração. Salienta a sua acidez e frescura, características que fazem dele um vinho muito gastronómico. O ‘Falcoaria Colheita Tardia branco 2014’ é mais uma referência bem pontuada do Casal Branco – junta-se ainda o ‘Falcoaria Fernão Pires de Vinhas Velhas branco 2017’ com 90 pontos. Feito a partir das castas Viognier e Fernão Pires, este vinho de sobremesa “é muito fresco, tem toques de alperce e pêssego, uma boa estrutura e concentração”, segundo Squires.

Com 90 pontos, Mark Squires elegeu seis vinhos: ‘Conde Vimioso Reserva tinto 2014’, da Falua; ‘Falcoaria Fernão Pires de Vinhas Velhas branco 2016’, do Casal Branco;‘Marquesa de Alorna Grande Reserva tinto 2013’, da Quinta da Alorna; e, do mesmo produtor, Pinhal da Torre, os vinhos ‘Quinta São João Syrah tinto 2013’, ‘Antagonista tinto 2013’ e ‘Quinta do Alqueve Colheita Tardia branco 2010’.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tertúlia de Queijos da Fromagerie Portuguesa na Enoteca 17•56

A Adega de Palmela aposta em ativação de marca

Symington Family Estates atribui bolsas de estudos a alunos da UTAD