Lavradores de Feitoria vence prémio de Empresa Inovadora e Criativa


Sexta-feira, 28 de Novembro, foi dia de celebrar o Douro: decorreu na Aula Magna da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real, a cerimónia de entrega dos ‘Prémio(s) Douro Empreendedor 2014’ – iniciativa promovida pelo segundo ano consecutivo pela Rede EmpreenDouro –, apadrinhada pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A Lavradores de Feitoria (LDF) subiu ao pódio ao vencer o Prémio na categoria de ‘Empresas Inovadoras e Criativas’.

A categoria na qual a LDF foi distinguida destina-se a empresas já constituídas, com dois ou mais anos, cuja atividade comercial represente o melhor em inovação (projeto que incorpore uma forte componente de inovação, demarcando-se, desse modo, com produtos ou serviços diferenciadores para o mercado), em criatividade (projeto que, de algum modo, incorpore uma evidente componente criativa, com valor acrescentado para o mercado) e em capacidade de internacionalização (projeto que demonstre evidências da afirmação e promoção do Douro nos mercados internacionais, reforçando o potencial de exportação dos produtos endógenos da região).

“Foi com enorme satisfação e orgulho que recebemos este prémio. É sempre gratificante quando vemos o nosso trabalho reconhecido, mas este prémio tem um gosto especial porque é do Douro para o Douro. Afinal, foi aqui que nasceu a Lavradores de Feitoria. Este Prémio (Douro Empreendedor) é também uma forma de dar visibilidade aquém e além fronteiras do que de melhor se faz na região.“, afirma Olga Martins, Administradora-Delegada e Directora Comercial da empresa vencedora.

Recorde-se que a Lavradores de Feitoria, Vinhos de Quinta S.A – criada em Setembro de 2000 e que resultou da união de 15 produtores, proprietários de 18 quintas distribuídas pelos melhores terroirs do Douro, repartidas pelas três sub-regiões (Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior) – é uma empresa cujo perfil e modelo de negócios se mantém único no país e, quem sabe, no mundo.

Pela primeira vez no Douro, um grupo de convictos durienses associou saberes e experiências, inovação e tradição; um esforço conjunto e solidário que marcou uma nova época para o Douro. Partilha e associativismo, concertados de uma forma moderna, razoável e inteligente, foram (e são) os valores subjacentes à criação da Lavradores de Feitoria.

Todos eles pequenos lavradores durienses, juntaram-se para partilhar recursos e criar sinergias de forma a conseguirem o que sozinhos não conseguiriam: produzir vinhos de qualidade, tendo por base um compromisso declarado com a excelência e tradição do Douro, sob uma só marca (Lavradores de Feitoria), uma só adega e uma só equipa de enologia.

A Lavradores de Feitoria produz vinhos de lote e vinhos de terroir. Os primeiros – comercializados com as marcas ‘Lavradores de Feitoria’, ‘Três Bagos’, ‘Gadiva’ e ‘Cheda’ – são feitos a partir de uma rigorosa selecção das uvas das diversas quintas e revelam a complexidade, a riqueza e a tradição de lote dos vinhos do Douro. Já os vinhos de terroir, nos quais se incluem o ‘Meruge’, branco e tinto, e o ‘Quinta da Costa das Aguaneiras’, pretendem reflectir o carácter e individualidade de uma determinada parcela de vinha.Todos apresentam um perfil equilibrado, elegante e têm potencial gastronómico, não descurando um cunho do carácter do Douro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um novo patamar de alta gastronomia

Symington sugere cinco presentes

Foz Torto lança novas colheitas