#daowinelover meeting - um evento exemplar e diferenciador

(Photo credit: #daowinelover blog)

Criar um evento não é tarefa simples. Criar um evento de vinhos, torna a coisa ainda mais complicada. Quando nos propomos organizar um acontecimento que à partida queremos que tenha grande impacto e resultados visíveis, temos tendência a pensar que só será possível se for planeado e executado por profissionais da área, sejam agências de Comunicação, Marketing, etc. Mesmo no sector dos vinhos, não é muito fácil que uma empresa da área da comunicação se atreva a engendrar um qualquer evento, sem primeiro obter um conhecimento aprofundado sobre o mundo do vinhos e as suas vicissitudes.

Vem isto a propósito do evento #daowinelover meeting, do qual já aqui falámos, e que se realizou na Casa da Passarela, no passado sábado. Entre encontrar um evento de vertente "profissional" ou vertente"amadora", a nossa expectativa talvez fosse para a 2ª hipótese, não pela qualidade dos organizadores, mas porque não são de facto profissionais do ramo, nem têm qualquer obrigação perante o sector dos vinhos, a sua atitude é "meramente" movida pela paixão aos vinhos, e ao Dão. Perante isto, aquilo que se viu, foi nada menos do que um evento que superou todas as expectativas, com a anfitriã Casa da Passarela, a ter igualmente um papel decisivo, quer pela simpatia e dedicação com que souberam receber os convidados (tão típico das Beiras), quer pela enorme qualidade das instalações. A confraternização informal entre todos os #daowinelovers, produtores incluídos, e este é um pormenor decisivo, sem que tenha existido um programa rígido, onde não faltou uma prova do CEV Dão (Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão) inesquecível, fizeram deste dia um verdadeiro hino ao Dão, protagonizado por gente nova e com uma energia contagiante. Embora possa admitir que nem os próprios organizadores, Pingus Vinicus e Miguel Pereira, esperassem tamanha adesão, e sucesso, a verdade é que o esforço e mestria que souberam colocar ao serviço do #daowinelover meeting, foram a chave para o maravilhoso evento a que podemos assistir.

Da fundação do grupo #daowinelover, à comunicação estabelecida com os membros do grupo, à criação de expectativas para o meeting, às respostas adequadas, à interacção e dinâmicas que foram capazes de criar, à presença e atitude pró-activa que souberam manter antes e durante o evento, ao conhecimento profundo dos vinhos, da região e dos agentes do Dão, a tudo isto se deve o sucesso.

Uma palavra também para os produtores do Dão, que com a sua presença e disponibilidade, perceberam que este era um evento importante e inovador, o que resulta numa imagem de união e de força da região do Dão.

O que fazer com este conceito, com este movimento daqui para a frente? Na nossa opinião o carácter amador, mas movido pela paixão, é talvez aquele que torna verdadeiramente especial este grupo, torná-lo profissional, ou com todas as letras "chato", ou igual a tantos outros, irá retirar-lhe as suas características diferenciadoras. Mas nisto o Rui Miguel Massa e o Miguel Pereira saberão melhor do que ninguém. Por esta altura já devem estar a tramar algo...


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um novo patamar de alta gastronomia

Symington sugere cinco presentes

Foz Torto lança novas colheitas