Governo francês com nova campanha: ‘Não beba vinho’


A indústria vitivinícola francesa está novamente em “guerra” com o Governo, depois do executivo de Sarkozy ter avançado com uma campanha: parar de beber vinho em conjunto.

O Ministério da Saúde gaulês publicou directrizes que desencoraja “o consumo de álcool, especialmente, vinho”.

Este apelo vem na sequência de descobertas da INCA, o instituto nacional francês do cancro, que referem que o consumo de somente uma pequena quantidade de álcool pode aumentar os riscos de cancro na boca e garganta em 168%.

O presidente da INCA, Dominique Maraninchi, referiu recentemente à imprensa francesa que “pequenas quantidades de álcool diárias são as mais prejudiciais para a saúde. Não existe uma quantidade definida, por mais pequenas que seja, que seja benéfica para a saúde”.

A mesma entidade também revelou que as carnes vermelhas, charcutaria e sal aumentam os riscos de cancro do colo do útero em 29%.

Roger Corder, professor da terapêuticas experimentais no William Harvey Research Institute, em Londres, autor de diversos livros, como “The Wine Diet”, e reconhecido perito em questões de saúde e benefícios do vinho, já veio revelar-se “surpreendido” pela relatório do INCA.

“O relatório não é baseado em estatísticas francesas, mas em dados estatísticos de todo o mundo, cobrindo todas as bebidas alcoólicas, e não só vinho”, revelou Corder ao decanter.com, adiantando que é “errado basear avisos de saúde governamentais nestes estudos que contêm falhas do ponto de vista analítico, risco ou padrões de consumo para diferentes bebidas alcoólicas e que ao mesmo tempo excluem factores como subnutrição ou tabaco”.

Citando diversos estudos relacionados com os benefícios no consumo de vinho, Corder referiu ainda que “é a primeira vez que vejo tanto disparate sobre os riscos relativamente ao consumo moderado de vinho provenientes de uma organização que deveria saber a importância de basear aviso no campo da saúde em análises estatísticas que consideram riscos globais”.

Como seria de esperar, o lobby do vinho em França reagiu a esta campanha, referindo a APGV (a Associação Geral dos Produtores de Vinho) que “a perseguição ao vinho tem de parar. Somos favoráveis a um consumo moderado e responsável. Não nos interessa ver os nossos consumidores morrer de cancro”, admitiu um responsável da associação.

in "hipersuper"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um novo patamar de alta gastronomia

Symington sugere cinco presentes

Foz Torto lança novas colheitas