“Os melhores vinhos que ainda desconhecemos”


Mark Squires, provador oficial da The Wine Advocate para os vinhos de Portugal, acaba de publicar, através do site www.eRobertParker.com, 32 excelentes pontuações de Moscatéis de Setúbal. É a primeira vez que a prestigiada publicação do americano Robert Parker Jr., o mais influente crítico do mundo, avaliou de uma só assentada um conjunto alargado destes generosos.

As classificações refletem a qualidade e excelência dos Moscatéis de Setúbal que segundo Mark Squires apelida no artigo são “os melhores vinhos que ainda desconhecemos”. Metade dos Moscatéis de Setúbal avaliados obteve pontuação igual ou superior a 90 pontos. Os destaques vão para o Moscatel Roxo "Single Cask”, com 96 pontos, e para o Moscatel Roxo Superior "Execellent" 2000, com 95 pontos, ambos do produtor Horácio Simões. Também com 95 pontos foram reconhecidos o Moscatel de Setúbal Coleção da Família, da Quinta do Piloto, e o Moscatel de Setúbal Superior 20 Anos, da Bacalhôa Vinhos de Portugal.

O reconhecimento dos Moscatéis de Setúbal tem vindo a consolidar-se, também no panorama internacional, e para este feito têm contribuído publicações como a The Wine Advocate. Em Dezembro de 2009 o Moscatel de Setúbal da José Maria da Fonseca 1947 alcançou os inéditos 100 pontos nesta revista, a classificação mais elevada na escala de Robert Parker Jr. e equivalente ao «vinho perfeito» apenas atribuída a 4 vinhos portugueses até à data. Em janeiro deste ano foi a vez do Moscatel de Setúbal Superior 1955 da José Maria da Fonseca arrecadar 99 pontos.

“É com enorme satisfação e orgulho que vemos o Moscatel de Setúbal reconhecido numa das mais influentes publicações de todo o mundo. As pontuações refletem a excelência deste grande vinho generoso que tem especificidades únicas e que é produzido apenas na Península de Setúbal”, refere Henrique Soares, presidente da Comissão Vitivinícola da Península de Setúbal, entidade responsável pela certificação dos vinhos com Denominação de Origem “Moscatel de Setúbal” e “Moscatel Roxo de Setúbal”.

Comentários