Irmãos Serrano Mira lançam terceira edição do ‘Herdade das Servas Vinha Velhas’


Os irmãos Carlos e Luís Serrano Mira lançam este mês a tão aguardada terceira edição do ‘Herdade das Servas Vinhas Velhas’, um Reserva tinto da colheita de 2012 que se propõe a fazer as delícias dos connaisseurs, tal como os seus antecessores – o de 2005 e o de 2009 –, que conquistaram alguns dos mais prestigiados galardões internacionais.

A nova colheita promete aliciantes novidades: a estreia do 2012 prevê garrafas de 750 ml – com um preço recomendado de € 25,00 –, mas para o final do ano fica a promessa de garrafas magnumdouble-magnum, de seis, doze e dezoito litros. Desta edição, são 2.000 as garrafas que o produtor vai guardar na cave da Herdade das Servas, sendo postas à venda apenas daqui a uma dezena ou dúzia de anos. Uma estratégia que vem reforçar o facto de este ser um vinho de guarda. Dez anos passaram desde a primeira colheita (2005) e o vinho está em grande forma.

Proveniente de vinhas cinquentenárias da família, o ‘Herdade das Servas Vinhas Velhas Reserva tinto 2012’ é um néctar para quem se orgulha de possuir uma garrafeira recheada de vinhos premium. Com um volume de álcool de 15,5%, é um blend poderoso mas simultaneamente fresco. É feito a partir das castas Alicante Bouschet (45%), Aragonez (25%), Alfrocheiro (18%) e Petit Verdot (12%) que, como é apanágio da Herdade das Servas, foram vinificadas e estagiaram separadamente antes da criação do lote.

Um ano e meio foi o tempo de estágio em barricas de carvalho francês (80%) e americano (20%), oriundas das melhores tanoarias internacionais; seguiram-se cerca de doze meses em garrafa na cave da Herdade. O ‘Herdade das Servas Vinhas Velhas Reserva tinto 2012’ destaca-se pela sua cor violeta-escuro, aromas a frutos pretos maduros, com compotas, especiarias e chocolate negro. No paladar, é complexo, intenso, aveludado e possuiu taninos redondos. Na mesa pede para ser servido a 16.º-18.ºC, depois de decantado, a acompanhar carnes vermelhas e caça, queijos intensos e enchidos.

Comentários