Estão escolhidos os 41 aderentes à primeira fase da Rota dos Vinhos do Dão


Produtores, quase todos com adega, muitos com serviço de enoturismo, todos com condições básicas de acolhimento de visitantes, foram os seleccionados pela Comissão Vitivinícola Regional do Dão (CVRD) para constarem na Rota que mostrará aos visitantes a diversidade e qualidade da região. Descubra o nome dos escolhidos nesta primeira fase.
A Rota dos Vinhos do Dão, que vai nascer oficialmente a 27 de Abril com 41 aderentes, permitirá aos visitantes, entusiastas e curiosos por esta região vitivinícola descobrir vinhas com um ADN muito particular, adegas com características irrepetíveis e ricas casas senhoriais ostentando brasões, agora transformadas em espaços de degustação e apreciação dos néctares do Dão.
Os 41 produtores de vinhos da Região Demarcada do Dão perceberam que o vinho é um bom guia para partir numa viagem à descoberta da região, das suas vinhas, quintas e adegas, dos seus produtos, da obra de homens e mulheres que moldaram a pulso as suas terras graníticas e acidentadas e das histórias de vida que têm para contar.
Beneficiando de uma gastronomia local ímpar e de vinhos que se harmonizam na perfeição, a Rota abre agora caminho à descoberta da melhor oferta enoturística da Região Centro do país. O ponto de partida pode ser o Welcome Center do Solar do Vinho do Dão, em Viseu, mas também uma visita directa às quintas e enoturismos locais, que serão devidamente sinalizados e de localização facilitada através do sítio na internet ou da aplicação mobile Rota dos Vinhos do Dão para smartphones.


OS ESCOLHIDOS DA ROTA

Nesta primeira fase do projecto, reuniram todas as condições e critérios de qualidade para a aderir à Rota: Adega Cooperativa de Mangualde; Adega Cooperativa de Penalva do Castelo; Caminhos Cruzados, adega em Nelas; Casa da Ínsua, enoturismo em Penalva do Castelo; Casa da Passarella, enoturismo em Gouveia; Casa de Santar, enoturismo em Nelas; Quinta de Chão de São Francisco, enoturismo em Lourosa, Viseu; Quinta Fonte do Gonçalvinho, adega em Paranhos da Beira, Seia; Julia Kemper Wines, adega em Oliveira, Mangualde; e Ladeira da Santa, adega em Tábua.
Na lista de aderentes constam também: Lusovini, enoturismo em Nelas; Madre de Água Hotel Rural, enoturismo em Gouveia; Magnum Vinhos, adega em Carregal do Sal; e os enoturismos do Paço dos Cunhas de Santar e Pedra Cancela Vinhos do Dão, em Nelas; Quinta do Penedo dos Mouros, em Tondela; Quinta da Bica, Seia, Quinta da Boavista, Penalva do Castelo; Quinta da Boiça, Canas de Senhorim, Nelas; Quinta da Fata, Vilar Seco, Nelas; Quinta da Nespereira, Gouveia; Quinta da Vegia, Penalva do Castelo; Quinta das Camélias, Sabugosa, Viseu; Quinta das Marias, Oliveira do Conde, Carregal do Sal; e Quinta de Cabriz, Carregal do Sal.
Entre os 41 produtores da Rota surgem ainda: Quinta de Lemos, enoturismo em Silgueiros, Viseu; Quinta de Reis, adega em Silgueiros; Quinta do Cerrado, adega em Oliveirinha, Carregal do Sal; Quinta do Medronheiro, enoturismo em Represes, Viseu; Quinta do Perdigão, adega em Pindelo de Silgueiros, Viseu; Quinta dos Cedros, enoturismo em Alcafache, Mangualde; Quinta dos Penassais, adega em São João de Lourosa, Viseu; Quinta dos Roques, adega entre Mangualde e Nelas; Quinta Mendes Pereira, adega em Carregal do Sal; Quinta Vale das Escadinhas, adega em Silgueiros, Viseu; Quintas de Sirlyn, enoturismo em Tondela; Seacampo, enoturismo em Vila Nova de Tázem, Gouveia; Sociedade Agrícola Boas Quintas, adega em Mortágua; Quinta do Sobral, enoturismo em Santar, Nelas; UDACA, União das Adegas Cooperativas do Dão, enoturismo em Viseu; e a adega da Vinícola de Nelas.

SOBRE O PROJECTO
A Rota dos Vinhos do Dão pretende ser um processo aberto a todos os produtores e adegas que reunam as condições básicas para receberem turistas, permitindo a adesão no futuro aos que nesta fase não as reuniam. De igual forma, inclui uma diversificação de serviços enoturisticos por parte dos Aderentes, que vai da simples visita às adegas ou quintas, passando pelas provas, vendas de vinho e/ou outros produtos tradicionais da Região, até aos que também podem prestar serviços de restauração e alojamento.
O projecto Rota dos Vinhos do Dão tem como base um estudo para a Definição, Estrutura e Gestão da rota, no quadro de um projecto apoiado pelo QREN/Plano Operacional do Centro (MaisCentro), e cuja componente nacional foi financiada pela Comunidade Intermunicipal da Região Dão Lafões e pela Comissão Vitivinícola Regional do Dão, tendo um custo total estimado numa primeira fase de 465 mil euros.

Comentários