Ibo Marisqueira abre ao público no Cais do Sodré


Ibo Marisqueira abriu ao público, no Cais do Sodré, apresentando uma seleção do melhor e mais fresco marisco nacional. A Ibo Marisqueira surge como uma extensão do Ibo Restaurante, espaço já com uma sólida imagem de qualidade e de grande atenção nos detalhes e no atendimento ao cliente, com seis anos de existência. Uma carta marcada pela “portugalidade” e com alguns apontamentos de Moçambique, são o cartão-de-visita da IBO Marisqueira que coloca à disposição dos seus clientes o marisco mais fresco e de melhor qualidade. Os viveiros de água salgada onde os mariscos são conservados vivos, no próprio restaurante, confirmam a máxima frescura dos produtos que são apresentados à mesa.

Os sabores que destacamos na Ibo Marisqueira são nacionais, onde realçamos o sabor original do marisco. A qualidade superior desta seleção foi o ponto de partida. A possibilidade do cliente escolher o que vai comer, a partir do viveiro, e acompanhar a sua confecção é diferenciadora nesta área com produtos tão sensíveis” considera João Pedro Pedrosa, responsável da IBO Marisqueira.

Na carta do restaurante, todas receitas são simples, enaltecendo o produto, preparadas com marisco nacional (Ria Formosa, Olhão, Berlengas) e de Moçambique. Lagosta e Santola nacionais ou Lavagante azul que podem ser degustados ao natural. A Gamba do Algarve,  os Casco de sapateira, Camarão à Guilho, Camarão Tigre (Moçambique), ‘Puntillitas’ ou Bivalves da Ria Formosa (Ameijoa, Conquilha, Canilha, Lingueirão e Mexilhão) são presença constante na ementa. O IBO Marisqueira também coloca ao dispor dos seus clientes presunto de qualidade superior (Ibérico de Bolota), Prego do Lombo em pão torrado com molho de bife ou o Pica-Pau do Lombo com pão torrado, que são algumas das propostas para terminar a tradicional refeição de marisco. A cerveja tem especial destaque, com a presença da moçambicana Laurentina, mas os vinhos não são descurados, com uma seleção de marcas nacionais que melhor harmonizam com os pratos da ementa. 

Comentários