Lavradores de Feitoria com novidades no capítulo dos brancos





São várias as novidades vínicas que o produtor duriense Lavradores de Feitoria preparou para o início do segundo semestre de 2014, todas elas no capítulo dos brancos. Um monocasta de Riesling e um Colheita Tardia surgem este mês para completar o portefólio da empresa que assim chega às vinte referências (*). Será ainda lançada a colheita de 2013 do ‘Três Bagos’, que se junta ao ‘Três Bagos Sauvignon Blanc 2013’, no mercado desde Maio.

“As vinhas da Casa de Mateus – um dos produtores associados da Lavradores de Feitoria – funcionam como um campo de ensaios, onde vamos experimentando várias castas brancas. O Riesling, tal como o Sauvignon Blanc que começou por ser um vinho experimental e hoje é um sucesso, foi um desses casos. Achámos que a colheita de 2012 estava “no ponto”, mas como a produção é muito pequena, optámos por não lançá-lo com uma marca Lavradores de Feitoria. Ao mesmo tempo, tivémos uma proposta do Chefe Rui Paula (DOC e DOP) e achámos que era interessante fazer alguma coisa com ele e ao mesmo tempo “testar” o vinho comercialmente. Na Lavradores de Feitoria tínhamos o desejo de criar um vinho de sobremesa, não fazendo nós vinho do Porto, a opção foi fazer um Colheita Tardia”, informa Olga Martins, CEO e Directora Comercial da Lavradores de Feitoria.

O Colheita Tardia surge sob a marca emblema da Lavradores de Feitoria, ‘Três Bagos’, e é da colheita de 2010. Feito 100% a partir da casta Sémillon apresenta uma cor palha dourada viva e brilhante. No aroma é bastante exuberante, com notas citrinas, nuances de figo e mel com algum alperce. Na boca é muito agradável, fresco e cheio; não é muito doce, o que lhe confere untuosidade e um final bastante complexo. São apenas 700 as garrafas de 500 ml do ‘Três Bagos Colheita Tardia branco 2010’.

O ‘Rui Paula Riesling 2012’ é branco que resulta de um compromisso entre o terroir duriense e as qualidades da casta. Vinificado e com estágio em inox (80%) e barricas novas de carvalho francês (20%), tem uma cor palha dourada e viva. No aroma é delicado no início, surgindo depois notas limonadas e de alperce, acompanhadas de um toque apetrolado, característico do Riesling. Tem um sabor bastantemineral, apresenta uma boa acidez e um excelente equilíbrio. Muito saboroso, promete evoluir na garrafa.

2013: a décima colheita do ‘Três Bagos Sauvignon Blanc’ vai estar disponível não só na “típicas” garrafas de 750 ml, mas também nos inovadores tubos de 100 ml – Wine In Tube (WIT). Um branco fermentado e estagiado parcialmente em madeira, que apresenta uma cor viva com tons de citrino limão. No aroma é muito exuberante, fresco e revela nuances tropicais como maracujá, ananás e alguns espargos. Na boca é muito agradável, bastante frutado – com fruta madura como ananás e melão –, menos tropical que no aroma, mas muito saboroso e longo.

Ao contrário dos néctares anteriores, o ‘Três Bagos branco 2013’ é um vinho de lote, que reúne três castas tipicamente durienses. O blendde Viosinho (50%), Gouveio (40%) e Malvasia Fina (10%) conferem-lhe uma cor brilhante num misto de palha e citrino; um aroma fresco, mineral e frutado, do tipo melão e ameixa branca. No paladar é muito agradável, fresco e cheio. É equilibrado, tem uma boa acidez e volume. O final de boca é fresco, expressivo e muito saboroso.

Comentários