Enoturismo - Vinho um produto territorialmente intensivo promotor do desenvolvimento regional*


Os produtos endógenos associados a uma determinada região, tais como a gastronomia ou o vinho, são elementos diferenciadores que ajudam inclusive a tipificar a oferta turística regional. Estes produtos associam-se à identidade de uma região ou território e à sua herança cultural, permitindo tipificar e caraterizar a região onde são produzidos. Podemos denominar estes produtos endógenos por "produtos territorialmente intensivos" e dentro deste extenso grupo inclui-se o vinho. O vinho pode ser um elemento fundamental em estratégias segmentadas de promoção de destinos turísticos, nomeadamente nos casos do turismo gastronómico, do turismo em espaço rural, e, ainda no segmento denominado por enoturismo.

O setor do vinho é extremamente competitivo e contribui para a criação de riqueza em diversos países e regiões em todo o mundo, tais como, Portugal, Itália, Espanha, França, Austrália, Califórnia (E.U.A.), Chile e África do Sul.

Nas últimas décadas o setor vinícola começou a considerar o enoturismo como uma atividade complementar que contribui para aumentar as receitas e apoia a estratégia de marketing melhorando a relação entre clientes, territórios e comunidades locais.

Portugal tem atualmente 14 regiões demarcadas, 12 em Portugal continental e 2 nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira. Em muitas destas regiões adegas e quintas de produtores de vinho associam à sua atividade o enoturismo, criando novos postos de trabalho e infra estruturas que permitem atrair novos turistas e visitantes e dessa forma promover o desenvolvimento regional.

A Península de Setúbal é uma região afamada na produção de vinhos de mesa e de moscatel oferecendo diversas soluções e atividades ligadas ao enoturismo. Um exemplo paradigmático é a conhecida Rota de Vinhos da Península de Setúbal (que inclui 6 rotas diferenciadas) a qual permite um conhecimento da região associado à visita de adegas e de museus, à participação em diversos programas culturais e festivais, os quais são dinamizados em grande parte pelo projeto Casa Mãe. A Casa Mãe, inaugurada no ano 2000, situa-se no centro de Palmela, numa antiga adega adaptada para o efeito e congrega o esforço de diversas partes interessadas na promoção do vinho produzido na Península de Setúbal. Neste local é possível comprar e degustar vinhos provenientes de 13 adegas aderentes da região, e, ainda possibilita a marcação de visitas guiadas às adegas, visita a exposições e a venda de outros produtos regionais territorialmente intensivos. Esta associação feliz entre vinho, produtos regionais ou territorialmente intensivos, território e tradições culturais, bem como, a sua promoção turística pode sem dúvida ser um vetor diferenciador da marca turística em regiões peri-urbanas como é o caso da Península de Setúbal.

Mais informações sobre a Rota de Vinhos da Península de Setúbal, em: http://www.rotavinhospsetubal.com

* por Luísa Carvalho (professora universitária) in Setúbal na Rede

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...